VILA DAS ARTES

Curso Estéticas Macumbeiras na Clínica da Efemeridade abre inscrições

A atividade acontecerá entre os dias 19 a 23 de agosto

0

 

Curso Estéticas Macumbeiras na Clínica da Efemeridade (Foto: Vila das Artes/ Divulgação)

O Vila das Artes está com inscrições abertas até o dia 10 de agosto para o curso Estéticas Macumbeiras na Clínica da Efemeridade, com Castiel Vitorino Brasileiro. A atividade ocorrerá durante os dias 19 a 23 de agosto, das 9h às 13h, na Vila das Artes. Os interessados em participar  do curso devem ter a idade mínima de 18 anos.

O curso trará atividades híbridas de leituras, análises de obras artísticas e experimentações corporais. A atividade tem pretensão de cartografar a complexidade de práticas artistas que se forjam numa encruzilhada epistêmica, formada com arte, macumbaria e psicologia, compreendendo tais relações como processos decoloniais e ferramentas clínicas de cura e sobrevivência.

Os candidatos que forem selecionados serão notificados por e-mail com o envio do material de texto do curso.

Conteúdo do Curso
1º Encontro: O Brasil é Bantu. A arte é genocida.
Pensar a diáspora africana Bantu acontecendo no Brasil ao longo da história colonial. Entender a macumba como um conjunto de tecnocolonias anti-coloniais. Compreender artistas macumbeiros como encantadores da linguagem e da língua, que habitam encruzilhadas. Nós, somos artistas macumbeiros pois conseguimos manipular vitalidades de um modo Bantu.

2º Encontro: Não houve adaptação, e sim imersão
Estudar os processos de formação e negociação vividos nos Calundus, que possibilitaram a Cabula, as Umbanas, o Candonbe, os Candoblés. Compreender mundos através de pontos de vida, vidas não-humanas, vida das plantas. Pensar e sentir territórios numa experiência imersiva e não mais adaptativa. Introduzir a noção de ‘ espaços perecíveis de liberdade’.

3º Encontro: Somagramas da ocidentalidade. Somagramas de liberdade.
Cartografar em cada território existencial, os processos de encarnação da colonialidade e lembrar no gesto, a fuga. Compreender as hibridizações anatômicas, bioquímicas, e energéticas, como possibilidade de desaprender no gesto a colonialidade. Produzir somagramas de um modo que a Psicologia Corporal não se propôs a fazer. Entender o segredo como estratégia de fuga. Criar segredos de sobrevivência, liberdade e prazer.

4º Encontro: Heresia é um testículo feminino.
Compreender a tríade cristianismo-racismo-cisheteronormatividade, como fundantes dos processos colonias de subjetivação brasileira. Criar possibilidades de destruir a nação brasileira. Aprender com sexualidades não-cisgêneras (travestis, bixas, sapatãos ) como criar armas contra a colonizações sudestinas, europeias, queer, e de qualquer ordem. Produzir uma nova tíade que possibilite nossa cura: malandragem-heresia-desobediência.

5º Encontro: Curandeirismos contemporâneos.
Aproximarmos de práticas de promoção de saúde incompreendidas, demonizadas, criminalizadas pela normatividade ocidental. Aprender a fazer descarrego da colonialidade. Aprender a se auto-benzer contra as leis da raça e do sexo. Aprender a fazer macumba contra o colonizador. Aprender a mergulhar na kalunga sem se afogar.

Serviço
Curso “Estéticas Macumbeiras na Clínica da Efemeridade”

Onde: Vilas das Artes – rua 24 de maio, 1221, Centro

Quando: 19 a 23 de agosto, das 9h às 13h

Ficha de inscrição

Telefone:  (85) 3252-1404

REDAÇÃO O POVO ONLINE

com informações de Secultfor

X

Expediente